Você sabe escolher a sua escova de dentes?

Escova_de_dentes_como_escolher_a_ideal_para_você.jpg

A variedade de escovas dentárias é de confundir até o dentista quando se depara com diversos tipos e modelos nas prateleiras. Nesse assunto, costumo orientar meus pacientes com a regra dos 3 C’s; Cerdas, Cabeça e Cabo:

Cerdas: O ideal é que as cerdas sejam retas, macias, finas e firmes o suficiente para massagear a gengiva e ao mesmo tempo, remover a placa bacteriana recente.

  • Retas: Não cerdas emborrachadas, intercruzadas, intergalácticas, com poderes extra compreensíveis; cerdas retas, do contrário, podem ferir a gengiva ou não higienizar adequadamente.
  • Macias: Macias a fim de massagear suavemente a gengiva – esse procedimento não causa sangramentos. Caso isso ocorra, sua gengiva está dando sinais de que há inflamação no local.

Há quem prefira escova com cerdas mais rígidas por ter a impressão que sua constituição proporcionará uma limpeza mais eficiente; há quem prefira escovas infantis por ter a impressão que sua constituição não causará agressão a boca durante a escovação. Há quem diga que cerdas muito macias, parece não limpar. Pelo simples fato de sua função ser a remoção da placa recente formada, escova com cerdas Macias e Firmes, é o que recomendo.

Uma técnica de escovação falha pode dar a impressão de que a escova macia não deixa o dente limpo como quando usa-se escovas com cerdas médias ou duras. Placas bacterianas “velhas” (que estão no local mais de oito horas, possuem estruturas moleculares mais fortes) são mais difíceis de serem removidas, por isso a escovação deve ser realizada sempre após cada refeição.

A confusão está no que entende-se por “limpeza”. Limpeza, na saúde da boca, não está associada a agressão e sim a polimento. A maciez da escova é para que o processo torne-se um polimento na superfície do dente.

  • Finas: Cerdas finas em sua extremidade agem no sulco gengival (entre o dente e a gengiva) e facilitam a limpeza nessa região a qual se estiver livre de placa ou outros resíduos deixará uma gengiva sempre saudável, livre de sangramentos.

Lembre-se que essa rotina é repetida em média três vezes ao dia, por anos e anos, então, deve ser feito com todo o cuidado para evitar retrações gengivais e desgastes dentários ao longo do tempo (cerdas médias e duras fazem isso!).

Cabeça: Estreita e grande ou larga e pequena? Muitos modelos é o que confunde.

A escova deve alcançar (de modo adequado) o último dente e por esse motivo são as que possuem menores cabeças que chegam mais a região posterior superior dos dentes (fundo da boca). Isso varia de pessoa para pessoa. Descubra qual é a melhor para você! 

Cabo: Pode parecer irrelevante mas o cabo da escova tem sua função. Seja para alcançar dentes mais longínquos, seja para ser um amortecedor que dissipa a força imposta sobre a escovação; o cabo não é meramente decorativo.

Cabos longos em escovas infantis são para a escovação assistida (por uma adulto) e servem para que o responsável faça a correta higienização além da instauração do hábito na criança.

Para aqueles que impõem muita força ao escovar, cabos longos e flexíveis é a minha recomendação. Isso fará com que, ao longo do cabo, a força se dissipe e a gengiva e os dentes, não sintam o impacto.

Use essas dicas e a escolha de sua nova escova será mais rápida e assertiva!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s